sexta-feira, 23 de junho de 2017

SIMPLESMENTE GENTE

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Se tiver boa índole, pode vir. Fale certo, com vícios ou tudo errado. Tenha qualquer cor, textura, seja transparente. Escreva bem, vulgarmente ou nem saiba escrever.
Você pode me chamar de senhor, mano, cara ou bicho, desde que só tenha uma cara... e que me trate como ser humano. Ter talento, não ter, pedir desculpas ou só dizer que foi mal, quando reconhecer um erro.
Quero apenas a índole de quem é recatado ou sem pudor. Adora funk, gospel, jazz, ópera ou MPB. É cristão, umbandista, herege, ateu, à toa. Tem mansão, casa boa ou palafita. Fala inglês, outras línguas ou só a língua do pê.
Venha e traga sua boa índole. A embalagem pode ser um corpo liso ou tatuado; bem vestido, nu ou com pouca roupa. Cabelos lisos ou duros; louros ou vermelhos; negros ou inexistentes não importa: será tudo bem vindo, se a índole for boa.

Se não tiver estudo, que tenha sensibilidade. Não tiver juízo, tenha coração. E se não for gentil, tudo bem, mas veja bem... desde que seja gente. 

quinta-feira, 22 de junho de 2017

PRECONCEITOS


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Preconceitos velados têm rostos risonhos,
atenções piedosas, vozes conseguidas,
as medidas distintas de afetos formais
que ninguém poderia contestar por lei...
Para ter preconceito e demonstrar que não,
é preciso saber se vestir de presença,
dar a mão que depois há de ser bem lavada
e visar recompensa sobrenatural...
Quem se dita melhor por questão de raiz,
de aparência, verniz ou por ter o que tem,
sabe como enganar seu conceito mais fundo...
É que o mundo se rende aos que sabem pagar
com seu ar filantropo e gestos adequados
aos contextos e quadros em torno de si...

TANTA ILUSÃO


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Foste um pôster bonito proposto ao meu sonho,
propaganda enganosa que me fez comprar,
dei lugar aos desmandos do sentir mais cego
e guardei a razão nos desvãos mais ocultos...
Eras muita embalagem pra pouco produto,
mas amei tua estampa e consumi teu oco,
vi a casca perfeita do coco sem carne,
devorei a ilusão do que jamais comi...
De quem eras pra mim nem saudade restou,
porque foste holograma de alguém que não és
e meus pés encontraram num deserto insano...
Felizmente me achei quando mais me perdi,
retornei ao meu dia e quebrei teu encanto
em meus cantos dormentes de tanta ilusão

DOR DE SOLIDÃO


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Meu olhar serpenteia por entre seus olhos,
arma o bote na calma de minha tensão,
pra sugar no silêncio desta timidez
o que seu coração talvez queira dizer...
Novamente me acanho, só me assanho em sonho
e por mais que me chame pra fora de mim,
mais me ponho em meus medos de não ser feliz
nos engenhos guardados pra quando não sei...
Mas também pode ser que seu ser sequer tenha
uma lenha viável pra chama que trago,
um afago na força do meu bem querer...
Minha voz trai meus olhos e cala o calor,
volto cheio de nada, vazio de tudo
que tentei dar à dor de minha solidão...

segunda-feira, 19 de junho de 2017

POR TE AMAR

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Apesar dos pesares, te amar pesa mais;
faz querer um ficar, com planos de partir,
o sorrir e o chorar que vão chegando ao tom
de sentir uma paz que nunca foi real...
Mesmo armado, ferido e com farpas na voz,
cianeto nos olhos, paixão nuclear,
alma cheia de nós, um orgulho algemado,
é te amar que supera o não fazer sentido...
Não importa se a porta me chama pro mundo
e revela que o fundo já cumpriu seu poço,
tenho todos os ossos cravados aqui...
Já parei de pesar se apesar deste amor
vale a pena viver um morrer tão constante,
pois te amar é bastante pra nunca saber...

sábado, 17 de junho de 2017

LITORAL


terça-feira, 13 de junho de 2017

O PRUMO DA VIDA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Antes do tiro que lhe coça o dedo, procure ver quem é. O que deseja. A que veio. Antes da partida ou do freio que moram em seus pés, pergunte a si mesmo seu porquê. Defina o ponto, a rota, e tome ciência da medida. 

Segure um pouco seu não, seu sim, para dar ouvido à pergunta, o pedido, a proposta em sua totalidade. Não se precipite. Pode ser frustrante, até perigoso, ter uma resposta pronta; padrão; sempre a postos no play da língua.

Tome tento. Antes do antes, do depois ou do corte pré-determinado, permita o benefício do tempo que o mundo pede. Deixe a vida cumprir seu chão. Seguir seu prumo rumo à morte que sempre aceita o depois, para ser definitiva.

PASSANDO A LIMPO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Um dos maiores riscos que o escritor enfrenta é o de soar hipócrita. Isso ocorre quando ele fala dos vícios e das mazelas do ser humano, com seus textos eivados de conselhos e críticas ao comportamento social como um todo.
É assim que me sinto a cada vez que publico em livros, páginas de jornais ou em rede social, textos que tratam de posturas, conceitos e preconceitos que pautam a sociedade na qual vivo. Sei que não poucas vezes pareço estar acima de qualquer suspeita ou carência de reprimenda, mas isso é um equívoco provocado pelo meu desejo de ser exatamente como recomendo que os outros sejam.
Se jamais cometi um crime, um delito, qualquer ato que a lei condene, devo confessar que não sou exatamente um exemplo como ser humano. A lei não tem, realmente, por que me condenar, mas a graça propõe constantemente à minha consciência, uma profunda reflexão. Um repensar necessário à paz interior, pois tenho cá meus vícios, minhas posturas íntimas, estritamente pessoais, que só eu sei como pesam, nos meus muitos momentos de autocrítica. 
Vivo me condenando às escondidas, ora punido pela consciência, ora beneficiado pelo habeas corpos no qual me justifico por ser apenas um ser humano, e assim vou. Do que posso me orgulhar é apenas a tentativa constante, quase sempre bem sucedida, de não prejudicar o outro. Só a mim mesmo. Isto é uma filosofia que adotei faz tempo, quando consegui absorver algumas lições de ética e preocupação com o ser humano. Posso não ser um cidadão nota dez nesse quesito, mas creio que passo raspando.
Em suma, quando venho a público deplorar o comportamento humano, muitas vezes deploro consciente ou inconscientemente a mim mesmo, convidando a todos para uma reflexão em conjunto. Ao tecer conselhos, críticas e até pregações, aconselho ao meu eu mais fundo; critico meus próprios atos e prego para minha consciência, deixando em aberto para quem mais esteja inserido nos contextos.
Obrigado por ler meus versos. Minhas crônicas. Meus artigos. Por acreditar nas mensagens. Na minha sinceridade ao escrever. Mas não caia no ardil de me adotar como seu espelho; seu guru; seu sabe- tudo. Não sei de nada. Sé sei mesmo escrever, como forma de ajudar a mim próprio e dividir com quem aceite, mesmo sabendo que um saber profundo a meu respeito poderá lhe causar algumas frustrações.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

AMOR EPITELIAL

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Eu amei o teu corpo e teu amor,
meu poder sobre as tuas sensações,
foste a flor no Saara dos instintos
duma longa estiagem no meu brio...
Eu me amei no reflexo da estima
que acordou entre a pele provocada;
na menina que deu ao meu outono
um atalho que nada presumira...
Não te amei como a febre fez sentir,
mas bebi a loucura de que amei,
pela força dos poros encharcados...
Eu te amei como eco da mentira
com que sei que me amaste quando a vida
foi a lira da minha solidão...

sexta-feira, 9 de junho de 2017

AQUELE AMOR


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Nunca mais repeti aquele amor
que me dava mais forças pra viver,
um torpor que acendia o corpo inteiro
e fazia sonhar com tudo eterno...
Fui feliz; de sentir que até doía;
de querer duvidar por precaução,
mas a minha emoção gritava forte
pra deixar a loucura ser maior...
Um amor que me deu raiz e chuva,
chão e sol pra florir e vingar fruto, 
fez da uva o meu vinho precioso...
Foi a minha ilusão bem verdadeira,
minha beira de abismo rumo ao céu
que só pude alcançar naquele amor...

terça-feira, 6 de junho de 2017

FOLDER

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Sabes tanto e não sabes que fazer
desse tanto que nunca te valeu;
tanto 'eu' processado em teu vazio
que o saber ostensivo não preenche...
Há um todo poder que não te salva
dos teus medos, da tua solidão,
do perdão que não tens a dar nem ter
quando encaras os olhos que te veem...
Tudo sabes e o tudo se faz nada,
porque já não te cabe aprendizado
e ficar no passado é teu futuro...
É um triste saber que se reduz
a um foco de luz repetitivo
sobre a mesma propaganda enganosa...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

SAGA RESTANTE

Demétrio Sena, Magé - RJ.



Hoje venço as derrotas forjadas pra mim;
já não busco vitórias que são duvidosas;
lá no fim dos meus sonhos estão meus espelhos
onde quero me olhar e sorrir pro que veja...
Errarei outras vezes; não nos mesmos pontos,
nem serão novos erros que premeditei,
desses prontos, medidos e delineados
pela lei de chegar sem questão de caminho...
Tenho prole que pede para ter matriz,
há um giz que precisa fazer jus ao quadro,
uma saga restante que requer critério...
Aprendi as lições que o passado ensinou;
sou aluno esforçado, quero me formar
e saldar com a vida pra partir em paz...

segunda-feira, 29 de maio de 2017

EM NOME DA ÉTICA

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Há um grande número de cidadãos focados especificamente no que a lei permite, proíbe ou manda. Isso é bom, porque muitos crimes, delitos e contravenções deixam de ser praticados, pela mera existência do temor da lei. Por existirem, ainda bem, essas pessoas temerosas das consequências diretas de seus atos, mesmo que lhes falte caráter para, no fundo, não desejarem praticar tais atos.
A realidade se complica, e muito, quando a ética está em jogo. Sendo ela o conjunto de posturas e atitudes que a lei não manda nem proíbe, muita gente boa, em princípio, porque não comete crime, abusa do atentado impune ao ser humano. Constrange, prejudica, passa para trás, engana, falta com a palavra, faz fofoca, dedura e até ganha pontos com quem lhe convém ou interessa agradar, mesmo que prejudique aquelas pessoas que não oferecem retorno, vantagem, promessa, ou das quais apenas não gosta.
Falta-se muito com a ética nos ambientes de trabalho, nas igrejas, agremiações e outros grupos, em troca de promoções, prestígio, atribuições, privilégios e cargos que pertencem a outros. Muitas vezes tão só para ficar bem aos olhos do líder, e ter a honra questionável de se tornar mais íntimo.
Também se falta muito com a ética em nome de um destaque na família... da disputa pela preferência geral. Nos dissídios e nas intrigas envolvendo proles. Algumas vezes, pela simples curiosidade ou desejo de cutucar desafetos do outro lado, por intermédio de alguém mais frágil, dependente ou ingênuo, que no fim das contas é igualmente prejudicado sem nem saber a razão.
São muitas as crueldades. Os atos perniciosos não previstos em lei. E a ética, intocável para o jugo da lei, em nome da graça, do arbítrio e da liberdade responsável do ser humano, fica seriamente comprometida. Uma sociedade sem lei é truculenta; brutal... sem ética, é hipócrita e nojenta.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

RETROVISOR

Demétrio Sena, Magé - RJ.


De repente uma vida foi tão pouco;
não pra todos os sonhos ou seus feitos,
pros defeitos, virtudes, erros, tinos,
nem o lúcido e louco no meu ser....
Foi pro quanto não fiz, não consertei,
os perdões que deixei de conseguir,
as emendas frustradas e suturas
de meu ir e meu vir desencontrados...
Uma vida foi pouco pra voltar
dos caminhos escusos que trilhei,
cada vez em que o pé ficou sem chão...
Tanto passo perdido fez a vida
se perder dos meus pingos, dos meus is
e do giz que falhou no quadro negro...

domingo, 21 de maio de 2017

OUTRO EU


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Resolvi não matar o matador
ou roubar o ladrão, rir de quem zomba,
ser a bomba que volta pro destino
nem a dor encalhada em quem magoa...
Não pretendo algemar os opressores,
falar mal dos que falam mal de mim,
dizer sim para todos esses nãos
que adivinho nos olhos ante os meus...
Aprendi a perder pros que me fazem
cogitar golpes baixos pra vencer,
já joguei dessa forma e não foi bom...
Hoje tenho a certeza de quem sou
e me venço até ver uma saída
em que a vida não volte a me aviltar...

terça-feira, 16 de maio de 2017

QUIS TANTO

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Tive o sonho de uma. Tão somente uma relação sincera e desarmada. Que rompesse as barreiras e quebrasse os tabus. Não temesse as possíveis distorções, por achá-las impossíveis.
Uma relação cuja boa fé deixasse ampliar limites, permissões e horizontes. Desnudar os conceitos que o mundo veste. Captar emoções ocultas que a ditadura do moralismo proíbe, sem achar que “aí já é demais”.
Quis ter uma relação, apenas uma, em que as formas de lidar não seguissem fôrmas. Onde não existisse desconforto. Só conforto, soltura, entrega, e a paz de se deixar estar sem a velha sensação da improbidade; o além do limite.

Sonhei alto. Quis demais, por querer um laço romântico sem ter que ser um romance. De paixão, sem ter que ter sexo. Um laço em que a confiança mútua nos permitisse ter... e dar “essas confianças”.

FRAUDES ETÁRIAS

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Ouça bem o seu tempo e não tente poupar a alma. Muito menos procure reciclá-la. Entenda que o corpo segue o tempo. As entranhas também. Não há de ser diferente com a alma, por mais que você a tranque no freezer. No vácuo do seu medo insano da vida... e da morte.
Também não queira empalhá-la viva. Isso não tem como dar certo. Embora esteja presa no corpo, ela sempre terá como fugir. Sua tentativa será desperdício incontestável desse formol que só preserva lembranças e saudades.
Você não será um velho de alma jovem. Ninguém será. Só um velho de alma em conflito. Angustiado com a plástica interna falha, sem efeito e sentido, e chorando a perda do tempo precioso em que tentou burlar a idade.

A melhor idade se foi. Ela teve o seu tempo, e agora é tempo do tempo que pode ser melhor, sem as tentativas de fraudes etárias. Corpo, alma e mente não se dissociam. Somos um todo, e a alma não pode ser algo estranho enfiado inadequadamente nesse todo.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

PARCERIA

Um desafio no intervalo do trabalho transformou o não ter o que fazer momentâneo em dois textos em parceria. Cada um foi iniciado por um de nós

AGORA JÁ NÃO HOJE

Rodrigo Lobo/Demétrio Sena

Quero mais do que a vida por levar. Do que meu tempo a ser cumprido e nele cumprir uma missão. Muito mais do que o mundo inteiro meu, e meu próprio eu sobre todo o mundo que delimita o meu redor.
Quero experimentar o novo, mesmo que por tabela. Sentir a expressão verdadeira adentrando a porta, sem pedir licença. Escanear o ócio de cada criatura, sem a preocupação de ferir o Criador. Ser o meu recriador ante a vida que nos quer sempre vários na vertigem da passagem das horas. Do infinito. Desse grito de agora já não hoje, porque tudo é futuro que nos chama.
Quero a livre expressão do meu querer sem querer. Sem ter que ter. Sem forçar a alma em um corpo que nem sabe de si.

MINHA DOCE JABUTICABEIRA

Rodrigo Lobo/Demétrio Sena

Minha doce jabuticabeira era tão fértil, que me lembrava uma bela caiçara a dançar seu carimbo sobre a planície. Ela era o meu par sobre qualquer outro. Minha fantasia de amor mais puro do que o ar de nossa fotossíntese que transformava o mundo para nós.
Eu consumia o seu corpo como se degustasse a fruta. A abundância da oferta dispensava conta gotas. A dose diária do mel da nêga era a receita ideal para a cura.

Por tais motivos, sempre fui o mais presente dos ribeirinhos... a jabuticabeira sempre foi o meu grande amor.

domingo, 7 de maio de 2017

MAU PAGADOR

Demétrio Sena, Magé - RJ.

O que faço é sentir que avancei mais um dia
ou pulei outra casa do jogo no fim,
sei de mim mas não sei do momento seguinte
que releva e vou indo como pouco importa...
Não é choro de alguém que se cansa do mundo,
mas de quem já viveu e não chora por mais,
é a paz de saber que já chegou a conta
e não vejo motivo pra fingir que não...
De repente o que faço é gastar os trocados
do meu troco previsto e dos dons perecíveis
que não foram quitados por todo esse tempo...
Minha vida parece brincar de credor
sem apego ao montante que devo e não nego,
não me apego nem pago e me deixo fluir...

terça-feira, 2 de maio de 2017

VIDA REAL


Demétrio Sena, Magé - RJ.



Desisti de alcançar meu quinhão da verdade,
pois os donos da mesma não vendem mais cotas,
e por isso a cercaram de grades sombrias
e farparam as rotas que levam pra lá...
Percebi que a verdade virou essa massa
que seus donos modelam conforme seus egos,
que obedece à trapaça da corporação
e me criva de pregos para me deter...
Na verdade a verdade se tornou mentira
quando foi loteada e passou a ter donos,
virou trono de alguns e perdeu a raiz...
Já não quero a virtude que o vício encampou,
ser quem sou é verdade que me satisfaz
e me diz o que a vida tem mesmo a dizer...

DEPOIS DO TEMPO


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Segure a fé
que tem na vida,
porque de fato
a vida é
um sempre nunca...
um nunca mais...
futuro eterno...
Passado o tempo,
o que se ganha
de presente,
não é senão
olhar pra trás,
pois isso é tudo
que há na frente.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

POR FALAR EM VENCER

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Pessoas idôneas que tenham quaisquer questões com pessoas de mau caráter terão chances enormes de perder, por estarem sempre um passo atrás. É que as pessoas de mau caráter são capazes de atos e truques baixos que a ética e a boa índole das pessoas de bom caráter jamais revidarão das mesmas formas. E de formas limpas, convenhamos que nunca será fácil vencer nesses embates. 
Mesmo assim, tenho a grande loucura de afirmar que não gostaria de ser nenhum desses malditos vencedores, para não enfrentar, num tempo inesperado, a grande carga negativa de uma existência infeliz, pela caminhada cheia de sucessos infames. Uma história repleta de vitórias piratas. Uma consciência frustrada pelo fato de só eu saber que, no fundo, jamais venci nada e ninguém.
Não posso negar que durante algum tempo de minha juventude, cheguei a ter certos ímpetos de práticas incorretas, visando alcançar mais rápido meus objetivos. Por me faltar talento neste quesito, sempre me dei mal. Ainda bem. Ao recobrar o bom senso, louvei as derrotas que me livraram de grandes arrependimentos; de pesos irremediáveis na consciência que certamente me derrotaria.
O que meu coração mais deseja é que nas muitas questões mundo afora, minhas eventuais vitórias sejam sempre legítimas, por serem conquistadas com dignidade. Quero ser sempre derrotado em qualquer nova peleja que por um segundo exija uma fraude; um desvio de caráter que me leve ao golpe sujo. Sinto-me realizado por sentir que venci os impulsos de vencer a qualquer custo.

sábado, 29 de abril de 2017

A PRESSA HUMANA

Demétrio Sena, Magé – RJ.

O mundo será quase perfeito quando a humanidade, ao invés de saltar, aprender a caminhar. A caminhada, mesmo com seus muitos percalços nos permite achar, definir, colher e acumular valores essenciais à formação do caráter tanto pessoal quanto coletivo.
Já o salto, além de nos privar dos desafios que legitimam a chegada seja onde for, empobrece a nossa bagagem – pessoal e coletiva –, pelos valores que largamos ao longo do caminho. Sem a colheita e o acúmulo desses valores, somos pobres de alma; de visão do mundo. Não temos estrutura para ser quem somos, ter o que temos e viver o presente, por absoluta escassez de passado.
É por isso que a humanidade não acerta o passo: porque tem pressa. Tem um medo insano de ficar para trás, motivo pelo qual não caminha. Sempre salta; cai onde ainda não deveria estar, e nos mesmos saltos, retrocede mais do que também deveria.

terça-feira, 25 de abril de 2017

COBRA FERIDA


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Que me falte o meu dedo indicador,
quando eu der de apontar defeito alheio;
ser pastor de um rebanho imaginário;
rédea, freio, cabresto e corretivo...
Sou as manchas que mostro em verso e prosa,
tenho as falhas compostas por meus dedos,
onde a rosa desperta sou espinho,
teço enredos que visam me salvar...
Só não venha querer me descompor
nem expor meu veneno; armar meu bote;
se não vai me matar, também não fira...
Quando pago pra ver exijo entrega,
quem me prega na cruz tem que saber
que minh´alma devolve cravo a cravo...

sexta-feira, 21 de abril de 2017

VIAGEM PERDIDA


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Copiar os poderes apodrece a alma,
porque há nessas fontes uma lama imunda,
quem afunda seus passos nos mesmos caminhos
não encontra verdade pra se nortear...
O que há nos poderes é toda mentira
sobre cada esperança que se tem no ser,
onde chega o poder toda honra se avilta
ou escapa e se abriga em outros habitats...
Exercite o poder de zombar dos poderes
com seu dom de ser livre para ser alguém 
que não vê no que tem o seu próprio valor...
Imitar os poderes é falir essência,
diluir a decência num poço sem fundo
e perder todo ensejo de se tornar gente...

DESPROTOCOLO


Demétrio Sena, Magé - RJ.


A polícia não prende quem surfa no rio
nem há multa pra homens vestidos de rosa;
não é crime doloso fazer verso em prosa
ou pecado mortal demonstrar menos brio...

Tem a paz que se sofre ou a dor que se goza;
os demônios contritos e os santos no cio;
ninguém vai a juízo por suar de frio
e um poodle é poodle, mesmo sem a tosa...

Seja menos restrito aos caminhos formais,
pois não cabe castigo a quem segue as vontades
que se mostrem bem suas; não de seus fiscais...

Muitas vezes nos cumpre desmentir verdades
ancoradas nas velhas ferrugens do cais;
nunca mais é pra sempre, até nos dar saudades...

RECUO

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Apaguei o meu fogo pra todos que um dia
só me deram soslaio em troca dos meus olhos,
foram hora tardia se lhes dei mais tempo,
pois desconfiaram de minha confiança...
Abortei meus afetos por todos aqueles
que me deram as costas quando fui frontal,
viram mal nos empenhos do meu bem querer
desarmado e disposto feito exposição...
Dou ausência completa para quem me viu
como aquela presença que já era tanta,
quase planta excessiva para pouco solo...
Deixo em paz quem parece temer uma guerra
ou enterra o seu brilho porque tem temor
do calor mais humano; menos trivial...

terça-feira, 18 de abril de 2017

CRÔNICA SONSA E RANCOROSA


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Depois de tantos acessos inúteis de fúria descobri, finalmente, que não preciso enforcar os meus desafetos... fazer nada contra os meus algozes, opróbrios e detratores. Agora sei que as minhas dores têm asas. Elas ainda são bem curtas, mas confio no milagre do tempo que as fará migrar lentamente para outros campos, quando eu menos der por mim.
Bastará que eu tenha calma o suficiente para dar aos meus desafetos todas as cordas do mundo. Com as cordas os troncos, as praças e até as plateias. Trata-los-ei como estrelas ou celebridades, para que a trapaça do meu bom senso tenha como atrair seus brios, as suas vaidades e a grande paixão que nutrem por si mesmos.
Eles próprios farão as suas forcas. Serão vítimas da própria pretensão. Não terei de fazer esforço para vencê-los, e para dizer a verdade, preferia não precisar vencê-los... muito menos desejar que algum desejo cruel se volte contra seja lá quem for... mas cá para nós: também tenho as maldades e mandingas de qualquer ser humano supersticioso e sonso.

domingo, 9 de abril de 2017

TODOS NÓS

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Tenho tudo com isso, pois isso me cerca,
se me cerca me atinge no tempo imprevisto,
não ter nada com tudo que acontece ao outro
é um quisto escondido; pronto pra estourar...
Este aqui é meu mundo, meu povo está nele,
minha bolha não serve pra me proteger,
sem viver não se vive, como não se pode
com a força dos fatos que pesam na alma...
todos nós temos tudo com todos os nadas
dos que vão entre nós em estado de coma
pela soma dos nós que os apertam de morte...
nada vai nos fazer não ter nada com isso,
e ninguém é ninguém pra ter como ninguém
quem está no seu campo de alcance ou visão...

PRESENTE DO FUTURO

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Minha idade não mente pro meu corpo;
ela toma o seu tempo, seu espaço,
tem o passo maior que minhas pernas
e me deixa perdido na jornada...
O meu corpo aprendeu a não tentar
ser mais forte que os dias do presente;
sente o peso da pressa e se acomoda
para dar de beber ao meu deserto...
É assim que me acho e ganho tempo,
perco medo e me aceito como estou,
com as perdas e os danos que sofri...
Mas vivi meus estágios de viver;
fecho a conta, me sinto ganhador;
ter futuro é presente do meu fim...

SAUDADE VAI E VEM

Demétrio Sena, Magé - RJ.


A saudade que tenho de você
não é bomba de gás lacrimogêneo;
não é gênio do choro obrigatório;
o velório de quem nunca morreu...
É um trauma que torno brando e bom
pra seguir e saber que o mundo pulsa;
vem no tom da vontade de viver
o presente, apesar do meu passado...
O presente, apesar do meu passado
vem no tom da vontade de viver
pra seguir e saber que o mundo pulsa;
é um trauma que torno brando e bom...
O velório por quem nunca morreu
não é gênio do choro obrigatório;
não é bomba de gás lacrimogêneo
a saudade que tenho de você.

sábado, 8 de abril de 2017

ETERNIDADE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Algumas eternidades parecem mesmo eternas, e são, pelo quanto pesam na alma e por isso não as queremos. Outras duram tão pouco, por serem tão felizes e desejadas, que nem as sentimos passar. Tantas outras acabam antes do início, pela forte sensação de que tudo não passou de um sonho, por termos fechado os olhos e o coração para todo o resto, abrindo-os tão somente para para o nosso tempo de ser felizes.
O fato é que a eternidade; provisória, curta ou eterna passa, para que realmente exista, em toda a sua plenitude. Para que o nada mantenha o seu sentido, como antônimo de tudo. Para que os antônimos não se percam, e sendo assim, a vida não morra antes de nascer, pelo choque fatal desse antônimo solitário, tirano, irremediável que seria não sendo, porque nada seria, por não haver início e fim, pois um não existe sem o outro. Vida sem morte? Tudo sem nada? Claro sem escuro? Alguém sem ninguém? Coragem sem medo? Amor sem ódio? Paz sem guerra? Vitória sem derrota?
A eternidade não seria o que é, sem a contrapartida da finitude. Ela existe para que no fim das contas, ou da vida, cada tempo se cumpra dentro da eternidade que lhe cabe. Tomara que a leitura destas bobagens não tenha sido uma eternidade para você.

domingo, 2 de abril de 2017

PÃO DE QUEIJO

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Quando a lua pousar no seu telhado
pra banhar a janela, o seu olhar,
fazer tudo fluir igual canção
que não é pra se ouvir; é pra se ver...
Deixe o sonho cair no seu agrado;
toda lua precisa ser luar,
ou não pode fluir no coração
nem na doce cantiga de viver...
Ao cair do crepúsculo de outono,
a friagem morninha será beijo
de saudade; profunda nostalgia...
Dê à sua emoção coroa e trono,
beba o céu, saboreie o pão de queijo
que o espaço tempera de magia...

PLENA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Você é bem atrevida.
Bem resolvida...
bem promovida...
Ninguém duvida
do quanto é.
Você é cheia de fé...
cheia de bem...
cheia de vida.

terça-feira, 28 de março de 2017

TUDO NADA

Demétrio Sena, Magé - RJ.



Se procurarmos
o tal de tudo,
talvez achemos
e não mais:

Sobretudo. Contudo. Sortudo. Estudo. Pontudo. Patudo. Tetudo. Gargantudo. Testudo. Cistudo. Peitudo. Dentudo. Batatudo. Topetudo. O próprio tudo...

Salvo engano,
rocambolismos,
invencionices,
isso é tudo...

Quanto ao mais,
por toda a estrada,
encontraremos
a cada passo:

Marmelada. Granada. Estabanada. Limonada. Jornada. Abandonada. Bananada. Inclinada. Clonada. Dominada. Determinada. Ensinada. Internada. Externada. Inseminada. Disseminada. Iluminada. Empanzinada. Esplanada. Entronada. Afanada. Sanada. Fornada. Assassinada. Pressionada. Friccionada. Aficionada. Terminada. Exterminada. Fracionada. Treinada. Fascinada. Vacinada. Racionada. Danada. Antenada. Eliminada. Engalanada. Enganada. Desenganada. Encanada. Desencanada. Concatenada. Aprisionada. Bolinada. Ruminada. Depenada. Apenada. Condenada. Reclinada. Meninada. Minada. Ninada. Encenada. Entonada. Atazanada. Sanfonada...

e fico aqui,
porque mais nada...
digo;
cada vez
mais nadas.

E sei que isso
não explica,
só complica
e não agrada...

No fim de tudo,
tudo é menos,
bem menos
do que nada.

domingo, 26 de março de 2017

PLENO


SAGRADO RECESSO

 Demétrio Sena, Magé - RJ.


Quem vier me buscar pra me pôr no batente,
só terá de retorno meu sonoro não;
a não ser que me leve, uma estrela cadente
que me pegue no pé ao invés de na mão...

Hoje quero só rede; nem piso no chão,
pois me dei este dia de agrado ou presente;
quero sombra com água, café, queijo e pão
e poemas com sonhos do forno e da mente...

Pra dizer a verdade, ficarei assim
até quando a canseira não der mais por mim;
a minh´alma também estiver descansada...

Amanhã na ressaca da paz deste agora
serei dono do tempo, já mandei a hora
me despertar meio dia da madrugada...

segunda-feira, 20 de março de 2017

A JOVEM DO LOTAÇÃO

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Quando a mocinha ruiva e muito bem vestida entrou no lotação, só havia uma vaga para sentar. Um jovem negro que ocupava o assento ao lado se ajeitou para que ela ocupasse confortavelmente a vaga. A moça não quis. Agradeceu educadamente, meio de viés, e permaneceu como estava. O assento logo foi ocupado por outra pessoa.
Era uma viagem demorada e cansativa, e o lotação lotou. As pessoas ficaram espremidas e a moça continuava em pé. Bem depois, um rapaz que desembarcaria no próximo ponto a cutucou pelas costas e convidou a ocupar antecipadamente a vaga. No assento à direita, uma senhora bem idosa, em trajes encardidos e muito pobres, abriu um sorriso muito simpático, de alguns dentes cariados, como se desse boas vindas à moça. Mas a moça continuava bem. Não estava cansada. Outra vez agradeceu educadamente... e de viés.
Mas ninguém é de ferro. Quando o lotação começou a esvaziar, e ainda restava um bom pedaço de asfalto para chegar ao ponto final, onde a mocinha ruiva desembarcaria, mais um passageiro desembarca e deixa um novo lugar, ao lado de um moço forte, alto, branco e metido em trajes sociais. Aí a moça se rende: lentamente se dirige à poltrona, dá um sorriso simpático, seguido de um 'com licença', senta, se recosta e dorme.
Não tarda muito, e o moço bem apessoado sai, de forma bem delicada para não acordar a moça. No mesmo ponto, embarca no lotação um idoso esquelético, visivelmente esgotado e carregando pesados sacos de sucata, que ele catara provavelmente o dia inteiro. Deixa os sacos perto da porta, se dirige à vaga na mesma poltrona da mocinha ruiva, e com expressão de alívio se acomoda, sem demorar também a dormir.

Regidas pelo cansaço, o conforto da poltrona quase macia, o vento da janela e o ruído suave do veículo em movimento, ambas as cabeças pendem, cada uma para o ombro ao lado. É nessa entrega inocente, simbólica e desarmada que ambos seguem viagem para o mesmo bairro, onde moram cercados pelas mesmas realidades diárias.

domingo, 19 de março de 2017

ESSÊNCIA, GARRAFA E ROLHA

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Tenho aqueles extremos, indesejáveis pra muitos, da confiança incondicional, desarmada, irrestrita, ou a desconfiança cega e sistemática. Da entrega ou do rapto de mim mesmo; a doação infinita ou a mais cerrada sonegação do meu todo, porque doar ou sonegar pela metade não completa os meus princípios.
Quem quiser minha essência, terá de sugá-la inteira e também acolher o frasco, pois são inerentes os meus lados. Minha cara não presta sem a coroa, e vice-versa. Sempre vou com fundo e superfície aonde quer que eu vá... e para quem quer que eu vá. Meu carinho não é diminutivo. Se não adoro, detesto, e se não atesto, jogo imediatamente fora. Nunca deixo para fazê-lo depois.
Foi assim que fui com você, que poderia ter sido assim, ou simplesmente o avesso, comigo: confiei sem escudo nem armadilha... entreguei sem freio... doei sem fim... fui essência, garrafa e rolha... tudo em um. Você não tinha o direito de se forjar e corresponder pela metade, à minha plenitude que morreu nos braços da ilusão de sua coplenitude.

sexta-feira, 17 de março de 2017

GENTE ARCADA


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Nunca tive talento com gente de bolha,
que se quebra no ar à menor vibração,
ou é folha varrida por todos os ventos
e não sabe o que sente; nem sabe o que sabe...
Faço curva pra gente quebrável demais,
que desanda, esfarela, perece ou resvala,
se mascara e se cala sobre seus conflitos
pra depois cometer injustiças vencidas...
Quem jamais se resolve ou resolve o que for,
feito flor de soprar que se deixa na mão
e seu talo, no chão, vai pra baixo dos pés...
Sempre tive cuidados com gente marcada
para ser vitimada por tudo ao redor,
uma dó de si mesma e mil mágoas do mundo...