sábado, 21 de outubro de 2017

AS MÍDIAS, OS INTERESSES PESSOAIS E A HIPOCRISIA RELIGIOSA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Chegou ao fim, uma novela que me fez entrar em sua história. Uma trama que encontrou as mais diferentes formas de alcançar os corações e as mentes dos brasileiros. Tanto os que assistiram quanto os que não; porque afinal, os que não assistiram fizeram exatamente como aquelas pessoas que não tomam bebidas alcoólicas, porém, cheiram as rolhas. Colhem as rebarbas. Tentam saber por meio de terceiros, ou em última instância, dão audiência escondidos.
Não tenho como não aplaudir uma obra; seja novela, filme, peça teatral, dança, livro, arte plástica (...), exibida por qualquer veículo... seja ele a Rede Globo ou a Band News; a CBN ou a Rádio Tupi; qualquer site, revista ou tela de cinema, se ela propõe um conjunto de reflexões de suma importância para o mundo contemporâneo, de formas tão delicadas, ao mesmo tempo cruas, porém dotadas de responsabilidade social. Conexão com as verdades que nem sempre queremos, mas precisamos encarar.
Vi a novela do início ao fim, com os mesmos olhos que tenho sobre qualquer obra de arte: olhos atentos às mensagens; às entrelinhas; às particularidades que me dizem respeito, e a toda a sociedade, na vida real. Olhos também atentos ao desempenho dos atores; à sensibilidade com que todos incorporam suas personagens e vivem suas histórias como heróis, bandidos, intermediários e figurantes.
É claro que a arte, a exemplo de tudo, tem seus contextos positivos e negativos; perniciosos e sãos. O que posso dizer aos que temem novelas e determinadas emissoras porque seus líderes espirituais ou politicopartidários mandam temer, é que o princípio da cidadania mora na liberdade. Liberdade para vermos, lermos e assistirmos o que achamos de bom tom, com a certeza de separarmos o que é bom e mau para nossas vidas a curto, médio e longo prazo.
Gostar ou não de algo é um direito de todos. Ninguém é obrigado, por exemplo, a ser noveleiro porque sou. Nem deixar de ser porque o padre, o pastor, o pai de santo nem o grão-mestre ou guru não gosta... ou desaprova. Seus próprios olhos e critérios são os mais recomendáveis para você avaliar o que é de bom e mau agouro, didático, antididático, belo, terrível...
Foi com essa liberdade pessoal, esses olhos e critérios que pude absorver o que há de melhor em uma trama. Desarmado, consegui entender que a história trouxe para dentro de minha casa o que meus preconceitos às vezes não querem ver. Arrombou meu sossego e acomodação social, me fazendo refletir sobre a importância de aceitar que o próximo não é só o igual. É também o diferente. Próximo é perto. Ao alcance de nossos olhos, nossas mãos e nosso amor... ou pelo menos nossa tolerância.
Não, não e não. As novelas não influenciam a sociedade. As realidades sociais influenciam as novelas, que as devolvem à sociedade física embrulhadas em arte, literatura e espelho, para decidirmos o que representa em nós. Nem há pregação. Nenhum autor manda cometer crime ou delito, mudar de gênero nem se converter a outra orientação. O que nossos filhos sabem é pelas próprias observações. O que eles são, enrustidos ou às claras, já são mesmo. E o que aprendem, mesmo em nossa companhia, o fazem nas ruas e na vizinhança; nas convivências inevitáveis na escola. E como se não bastasse, ainda aprendem com nossas rabugices religiosas, sociais e políticas, lições incontestes de pura hipocrisia.
Vi uma trama combater, com histórias espelhadas em experiências de vidas reais, o preconceito de gênero; o racismo; o ódio religioso; a negação do vício; a injustiça política e social. Também vi essa trama trazer à luz os caminhos que levam ao crime, para depois mostrar as consequências. Li nos contextos da referida, o discurso verdadeiro de que nos vemos diante de uma nova sociedade, e não nos resta senão optar entre o amor e o ódio, pelas diferenças. E é claro, além de muitas outras realidades, um pouco de poesia.
Enfim, vi com o meu discernimento e minha liberdade, na novela que todos viram com seus olhos ou os olhos alheios, uma mensagem múltipla de amor. Um amor que se distorce na hipocrisia religiosa e na intenção eleitoreira dos candidatos a cargos públicos, quando contradizem suas pregações pretensamente alicerçadas no livro que usam para suas conveniências pessoais.
Este pagão ou não religioso alicerça o seu manifesto utilizando exatamente o livro no qual não crê como guia divino de sua conduta ou caminho para salvação da alma, mas no qual descobre, sempre que o relê, máximas ou ensinamentos preciosos. A bíblia confronta e desmente seus pregadores, onde fala de amor ao próximo; primeiro, porque o próximo é qualquer pessoa de algum modo alcançável. Segundo, porque diz que se deve fazer o bem sem olhar a quem. Terceiro, porque fala do amor de Deus como um amor incondicional. E quem não ama incondicionalmente, fere natureza e o princípio do amor desse provável Deus.
Por fim, a bíblia também desmente seus pregadores, onde afirma que Deus deu ao homem o livre arbítrio. O que os religiosos mais têm feito, com linchamentos verbais e físicos, às vezes letais, é se mostrar superior ao possível Deus, querendo arrancar à força esse livre arbítrio do semelhante. Se a tal bíblia fala em inferno após a morte, porque será que seus seguidores querem condenar o próximo ao inferno – da exclusão, do julgamento e a condenação contínua – mesmo antes da morte?
Conhecer o mundo além das paredes dos templos, das palavras dos líderes, das páginas da bíblia, das dicas da web, das mensagens carolas de redes sociais, da hipocrisia política e familiar e até das mídias fixas e recomendadas, é sair da ignorância. Vencer a limitação. Ter bagagem para refletir por conta própria. Possíveis céu e inferno são o futuro. Não Continuemos ignorantes do agora.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

AMOR À VIDA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Levo a cabo,
acabo
o que começo.
Sempre luto
pra que o luto
não perdure.
Minha testa
só atesta
o que sou.
Eu contesto
com texto,
preguiça
de viver.
Tenho tudo
que tudo
me reserva,
porque nada
nada
em mar de rosas.
Sei que sei
bem menos
do que penso
que sei que sei,
tenho medo
é do medo
de saber.
E tenho a paz
como pás
pra enterrar
o mau humor.
Meu amor
pela vida
cata espinhos.
Mas logo rio
do rio
de lágrimas
que choro.
Trago a flor
à flor
de cada poro.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

FANATISMO


Demétrio Sena, Magé - RJ.

A distância do próximo se alarga,
pelo amor de matéria duvidosa;
pela carga de raiva dos opostos
ou da rosa dos ventos adversos...
Ninguém ama e respeita os diferentes;
preconceito é bandeira dos covardes;
rangem dentes os donos da verdade
mal forjada nos templos da mentira...
Quem confunde moral com moralismo,
tem a fé como ferro de ferir,
já morreu de mesmismo sem vacina...
Se lhes cabe algum céu é o céu da boca
duma noite sem lua e sequer céu;
fanatismo já é o próprio inferno...

QUEM ME AME


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Já não quero seu eco
me devolvendo a seco
o que me soa infame...
Não quero mais alguém
que me ame também...
desejo quem me ame.

MUNDO NARCISISTA


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Ninguém há de negar que a globalização tornou o próximo mais próximo do que nunca. Mas o amor, por sua vez, tomou a direção oposta. Está mais distante do que nunca, em razão das diferenças. Da constatação definitiva do quanto o ser humano é diverso. Raramente amamos o próximo, a menos que o próximo seja nossa réplica, em todos os sentidos. O mundo moderno excede no narcisismo.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

MORTOGRAFIA

Demétrio Sena, Magé - RJ.



Jamais entendi alemães, anões e mãos. Muito menos axé; táxi; praxe; guache. Sempre fui cismado com ducha e puxa... puxa vida! Como se não bastasse, ainda tem a linguiça, que enguiça no trema imaginário. 
Meu exame se perde no vexame. Ao mesmo tempo, a pança cansa a cabeça tão confusa. Perco o osso no poço, envolvo o troço no posso e caço o passo nessa confusão. Transa cansa o porquê, que não convence, tanto quanto a bossa coça o queixo, intrigada.
Azar da asa, que não tem z. O mesmo z com que ainda seria a asa, ou aza que o azar não teria... neste caso, azar do azar, cujo s não o livraria da sina. Da mesma forma, inchada ou não, a enxada será sempre a enxada e não adianta nem discutir o x dessa questão.
Quanto ao prazo do caso, nem se discute. O lixo é fixo e pronto; nada o define. Pode-se afirmar o mesmo da onça, que é sonsa e nem liga para o detalhe que não poderia mesmo explicar.
Já não presto atenção na tensão. Na intenção e na pensão. Vou na raça, isso passa, essa peça também não encaixa, mas tudo bem. A ortografia não é mais virgem. Perdeu bastante o hífen.Violaram muito do seu acento. Ela não assenta nem acentua como antes...
Chega o tempo em que a escrita emperra. Não tem regra; só adivinhação. Talvez intuição. Escreve melhor quem adivinha ou intui o maior número possível de palavras.

GRANDE ATOR

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Não
existe
a
tua
ção
que
substi
tua
a
tua
a
tua
ção.

SOCIEDADE - NOVELA - SOCIEDADE

Demétrio Sena, Magé - RJ.
Cheguei à conclusão de que não posso exigir que a arte pare no tempo, sob pena de se tornar fútil; superficial; sem qualquer compromisso com as realidades contemporâneas. A dramaturgia, por exemplo, quando não se propõe a exibir histórias de épocas passadas ou de cunho estritamente religioso, tende a se tornar alienada, fora de propósito e contexto, caso exceda nos véus.  A menos que haja intenção dos autores, por questões de humor, fantasia ou romance atemporal.
Como não dá para enfiar computadores, smartphones, armas nucleares e comportamentos ultramodernos em histórias de séculos, quiçá milênios passados, também não dá para fazer o oposto nas histórias de nosso tempo. Afinal, a arte existe em razão da sociedade; não a sociedade em razão da arte.
Excetuando os casos de fanatismo artístico, em que a falta de compromisso com crianças, adolescentes e outros vulneráveis interfere perniciosamente no processo natural e gradativo de formação ou assimilação, não acho nada imoral. Nem contradidático. Nem escandaloso. Na arte, no entretenimento nem na lida interpessoal e consensual. É só uma questão de achar ou não por bem consumir, e de querer ou não, de forma explícita, inequívoca e decidida, interagir com o outro. Tudo com discernimento próprio; não de acordo com regras, prismas ou imposições de que ou quem quer que seja.

É claro que havemos de repudiar qualquer manifestação artística e de outras naturezas, se houver clara imposição ou incitação ao ódio; ao preconceito; à exclusão; ao crime. Mas confesso que o que tenho visto é que a mídia, em especial a dramaturgia na maioria das vezes tem feito, com ou sem eficiência e sucesso, é exatamente pregar a compreensão, a tolerância, o respeito e os novos olhares sobre as diferenças cada vez mais evidentes. Com vícios, distorções e falhas, mas cabe às famílias aplicar seus filtros, propor as devidas reflexões, assessorar seus vulneráveis para o entendimento viável do que assiste. Ou proibir a audiência, pelo reconhecimento da incapacidade de assessorar.

O que nenhuma pessoa, família, grei, organização ou grupo tem o direito de fazer é decidir o que os outros podem ou não podem, com base nas suas proibições internas, por moralismo; fanatismo; ideologia; crença; imposição de cultura ou tradição.

Que se denuncie o que fere a lei; o que é crime ou contravenção. Mas ninguém se julgue apto a reger a sociedade; a exigir que todos vivam dentro de seus moldes ou virem suas ovelhas compulsórias. Voltando à dramaturgia, chegamos ao tempo em que, por falso moralismo e ditadura de fé, como se já não bastassem os preconceitos religioso, de gênero e até racial, temos que conviver com o preconceito a depender dos programas que apreciamos, a emissora de rádio ou televisão que preferimos, o jornal que lemos, os sites que acessamos e até as músicas de nossa expressa preferência.

Na contramão do que muito cidadão tem feito, se um dia me acudisse a ideia de mover um processo judicial de natureza pública, baseado em influências de comportamentos, eu preferiria processar a sociedade, da qual faço parte, pelas más influências que ela, sim, tem levado às telenovelas. Repito que a arte existe em razão da sociedade; não a sociedade em razão da arte.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

FIM DO MUNDO


sábado, 7 de outubro de 2017

DISTINTA SENHORA NUA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quando percebeu que eu aceitara em meu perfil de rede social a solicitação de uma distinta senhora que diariamente se mostra nua em sua linha do tempo, um contato puritano me remeteu uma mensagem desaforada, para só depois me bloquear. Nenhum problema com o bloqueio, que neste caso me foi conveniente, mas a sua mensagem ofendia uma pessoa ausente, que nenhum mal lhe fizera, e cujo perfil público não tem como ser visto sem expressa e voluntária visita. Posso até adivinhar o que tenha ocorrido ao meu ex-contato, por obra de uma possível patologia, talvez de fundo religioso, para deixá-lo tão culpado.
A vítima do puritanismo em questão tem um dos mais relevantes perfis que já conheci em rede social. Ela usa delicada e criativamente o corpo, tanto como arte quanto como expressão legítima de pura liberdade. Cada pose exibida é contextualizada por um madrigal, de sua autoria, sobre algo relevante: preconceito racial, social, de gênero, intolerância religiosa e algo similar. Imagino que o ex-amigo não percebeu tudo isso, porque ficou fissurado exatamente no que o levou a julgar, condenar e aplicar a sanção ao seu curto alcance.
Manterei a senhora nua em meus contatos. E se outros quiserem me bloquear, que o façam, pois a senhora nua tem bem mais a dizer do que as criaturas sonsas que usam roupa como farda para esconder as falhas de caráter. Que não têm, para usarem o corpo como arte ou expressão de liberdade, a mesma coragem de minha amiga virtual – e virtuosa –, a quem devoto respeito e admiração.  Aliás, um respeito e uma admiração que nem sonho ter por gente muito bem vestida para julgar, excluir, fraudar, enriquecer com o medo alheio do inferno, com verbas públicas e todas as outras formas de exploração da fé pública.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

MEIO AMOR

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Embora sempre ouça de alguém a mesma explicação esdrúxula, foi com espanto e frustração que ouvi uma grande amiga explicar seu motivo para não visitar um parente hospitalizado: ela não gosta de hospital. Ainda emendou que também não vai a velórios e sepultamentos, porque “não curte” capelas mortuárias e cemitérios.
Bem que tento entender minha grande amiga, exatamente por ela ser minha grande amiga, levando em conta o seu temperamento sempre alegre. Seu despojamento, a expressão leve, o rosto cheio de luz. Inquieta, enérgica, cheia de vida, ela nunca dispensa uma balada; malha todos os dias; é flamenguista convicta e não perde um só jogo do seu mengão.

Mesmo que aceite a explicação, não consigo evitar o meu lamento. Confesso que não por ela, mas por mim, pela consciência de que não contarei com sua presença, caso fique doente ou me aconteça o pior.  A menos que eu seja hospitalizado numa discoteca; velado numa academia de ginástica; sepultado num estádio de futebol.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

TROPEÇO


Demétrio Sena, Magé – RJ.

Acredito em mudança,
mas tantas vezes esbarro
nas intempéries do sonho,
nas frustrações da esperança
e nas condições do carro.

AMOR PROIBIDO

Demétrio Sena, Magé – RJ.


Sei que nunca entendeste o gostar despojado,
minha fila de olhares e gestos contidos,
a canção do silêncio que vai nas palavras
entre tons comedidos pra conter deslizes...
Nunca tive projetos de me projetar
nessas águas que avisam sobre seu perigo,
fecho tudo comigo e sei me dar sem troco
e me sinto feliz, apesar de não ser...
Sempre fui esse fruto que não colherás,
mas respeito a recusa, quase te agradeço,
quero a paz de te amar sem temer o pior...
Só me deixes fingir que te sinto querer,
que não vais me morder, mas teu olhar me lambe
sem o risco formal de machucar o mundo...

PARQUE DAS FLORES, DOS FRUTOS E DAS GENTILEZAS


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Ontem cheguei à minha rua em Parque das Flores, e me deparei com o 'seu' Roberto, vizinho de frente, aguardando com duas pinhas maduras na mão. Explicou que já me chamara duas vezes, lá no portão de minha casa, mas não havia ninguém. Agradeci com carinho, peguei as frutas e fui comê-las mesmo instante. Estavam duplamente deliciosas, pelo sabor natural das mesmas e pelo sabor, também natural, do afeto de meu vizinho, que logo depois ganharia livros.
A rua na qual moro alguns dias da semana é assim. Uma interminável troca de gentilezas. Acordo sempre ao som da voz amiga - e estridente - de seu Gerson a cumprimentar a vizinhança. Em outras ocasiões, com o rosto voltado para minha casa, esperando para perguntar se estou bem e se preciso que encha minha caixa d´água, pois sabe que a bomba de meu poço às vezes deixa a desejar. Não raras vezes, trocamos limão por jambo e tangerina por mamão.
No quintal de fundos para o meu, seu Hélio varre folhas, assessorado por sua esposa, e nunca deixa de cumprir o ritual de observar para ver se tudo está bem no meu pedaço. Quando saio às ruas, é um tal de bom dia; boa tarde; boa noite, a depender da hora. Muitos senhores ainda tiram o chapéu para cumprimentar quem para eles merece tal reverência, pelo simples fato de ser um professor. Coisa das antigas.
Tem ainda as velhinhas da rádio esquina, que assim batizei porque as mesmas estão sempre lá, pondo assuntos em dia, vendo se não falta ninguém na vizinhança e analisando os poucos acontecimentos do lugar. Elas têm sempre um sorriso, uma observação e um cumprimento alegre, despretensioso e cheio de calor humano.
Não sei descrever o encanto que é morar em Parque das Flores. O texto seria longo, e mesmo assim, precário para descrever esse meu recanto. Conheço muitos e muitos lugares onde os vizinhos recebem uns aos outros com pedras na mão, enquanto em Parque das Flores, especialmente na minha rua, recebemos uns aos outros com corações desarmados... e frutas na mão.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

FÉ SEM PÂNICO

Demétrio Sena, Magé – RJ.


Seja forte para não deixar que o desespero e a fragilidade o levem à conversão religiosa cujo fanatismo só o tornará mais desesperado e frágil. A religiosidade – ou religião – , seja qual for, só é restauradora se o que nos conduz a ela são o amor equilibrado, a emoção racional e a ponderação de motivos. Lucidez de fé, sem o medo que busca esconderijo no remorso e na autoflagelação física, moral, psíquica e de outras naturezas.
Jamais se converta por culpa. Por se achar o pior dos pecadores, o mortal mais imundo. Não se mate por dentro nem se anule por uma eventual nova vida, e sequer adote a ilusão do fim de suas fraquezas e conflitos perante as tentações de cada dia. Muito menos acredite que você será superior aos que não o sigam em sua conversão. Nunca se torne o juiz dos diferentes. O inquisidor dos opostos. Apedrejador dos que seguem outros caminhos, conceitos, ideologias, visões e crenças. O carcereiro de sua família.
Caso o faça, só se converta para ter paz. Para sorrir de satisfação; não rir de nervosismo. Se for para ser intolerante, preconceituoso, viver com raiva da sociedade fora de seus muros e a todo instante combater demônios com a evocação frenética e contínua das divindades, é melhor não se converter. Fanatismo não liberta; escraviza. Torna o mundo pior e afasta mais e mais o céu que pode habitar nossos corações.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

A LIÇÃO DA NOITE

Demétrio Sena, Magé – RJ.


Só se culpe do mal que vier a fazer;
pelas perdas e os danos que fujam do acaso;
não por dar ao desejo esse leve prazer
feito flor que respeita os limites do vaso...

Um amor proibido mede alcance, prazo,
onde quem o cultiva tem pleno poder;
sabe quando é manhã ou já se fez ocaso;
seu efeito está pronto a pôr tudo a perder...

Não se culpe de amar a quem não deveria;
sentimento e sentidos terão harmonia
se você platoniza e tão só insinua...

É preciso aprender a lição de rotina,
quando a noite se forma e borda na cortina

o romance platônico entre sol e lua...

domingo, 24 de setembro de 2017

RODA MORTA-VIVA

Demétrio Sena, Magé – RJ.



A não ter minha essência preservada,
é melhor não ter nada e nada ser;
estancar os projetos de uma vida;
ter a vida volátil dos insetos...
Se não for como sou, como serei?
Quem terei pra mostrar ao meu espelho,
meu silêncio, meu recanto mais fundo,
pra que o mundo me veja quando olhar?
E não tendo a mim próprio, que teria
para dar ao momento em que me dê
à magia dos relacionamentos?
Não me peçam pra ser conforme a moda,
pra dançar como a roda morta-viva
ou a dança das massas amestradas...

SOMOS

Demétrio Sena, Magé – RJ.


Sou como sou.
És como és.
Da cabeça
aos pés,
somos cromossomos.

A LEI DO AMOR AO AMOR DO PRÓXIMO

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Desconsideremos o pecado amoroso em sentimento. Ele não descumpre a lei do ato. A constituição dos feitos terminais. Da mesma forma, desconsideremos esse pecado em pensamento; em fantasias; em confissões meramente gestuais, ao sabermos que só teremos respostas também gestuais. Devidamente veladas e gestuais.
Não nos culpemos pela constatação de nossa humanidade. Do nosso poder de amar e sentir desejo além das grades e permissões sociais. Isso não é fraqueza. É realmente poder. É a constatação da força de nossa existência sobre todos os dogmas sociais, quiçá divinos – para quem crê no divino – ou da natureza em um todo.
A preocupação com o próximo nos recompensa com as confortáveis migalhas remotas. E não precisamos – nem devemos – ter drama de consciência por usufruirmos dessas migalhas que não causarão sofrimentos. O direito ao pecado platônico é a brecha piedosa da lei do amor ao próximo. E do amor pelo amor do próximo.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

PROFANO


DO QUE SEI QUE NÃO

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Se lhe quero tão bem que nem sei lhe dizer,
é querer sem querer me servir de sentidos,
desfrutar do prazer que o desejo procura
e não quer encontrar, apenas presumir...
Sempre a quis e não quis lhe perder porque tive
ou porque me joguei sem medir minha queda,
sou a pedra plantada no caminho incerto
de sonhar com quem dorme muito bem sem mim...
Mas lhe quero tão bem que não sei não querer,
sei conter e sentir pelo que sinto em vão,
dar a mão ao meu sonho e plantar fantasias...
Não a quero pra lá desse meu querer bem,
só lhe quero tão bem que o querer se transgride
num eterno esperar o que será que não...

domingo, 17 de setembro de 2017

EIS-ME AQUI

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Eis o negro;
eis o branco;
o vermelho.
Amarelo...
Toda cor.
Eis o crente;
o católico;
o umbandista;
o judeu;
o espírita;
muçulmano;
budista;
o ateu;
o ser humano.
Eis o hétero;
o homo;
o trans;
o travesti;
a drag;
o que for...
Eis o próximo;
mas...
e o amor?

Cadê o amor?

sábado, 16 de setembro de 2017

SOCIEDADE CRIMINOSA


Demétrio Sena, Magé - RJ.



Inadvertidamente, o homem feio chega e senta na outra ponta do banco em que a moça bonita está. Sem nenhuma palavra ou aproximação, ele vira o rosto e dá um leve sorriso para ela, como se para sossegá-la. Pouco depois abre um livro e se perde no silêncio da leitura.
Então a moça bonita se levanta, meio atabalhoada, e cai. O homem feio percebe o tombo e vai socorrê-la; no entanto, ela o manda sair. Grita para deixá-la em paz. Pelo visto, a moça tem pavor de homem feio para o seu provável conceito aristocrático de beleza. Sobretudo, externa. Imediatamente algumas pessoas bonitas, conforme o mesmo conceito, vêm ajudá-la. Com elas, o possível namorado bonito, que antes de beijar a namorada quer saber do homem feio qual foi a gracinha que ele fez. Pergunta e lhe dá um empurrão.
O homem feio não gosta e devolve o empurrão, enquanto diz que nada fizera. Os empurrões viram briga, e as outras pessoas bonitas aderem, evidentemente contra o homem feio que abusara da moça bonita. Fosse de uma moça feia, tudo bem, mas não da moça bonita. Ele tenta correr, ao tomar consciência da proporção do equívoco, mas não consegue. Logo se forma um grande júri que não só o condena sem direito a defesa, como também aplica o castigo merecido.
Só ao ver que a polícia chega e que aquilo se torna um linchamento, a moça bonita, então recomposta do seu trauma, grita para que todos parem. Nem era mais necessário, porque a polícia já dissolvera o grupo. Um policial, que segurava a cabeça do homem feio e ferido no chão do shopping center, chama pela moça bonita e pergunta se ela, como a vítima de fato, quer fazer sua queixa.
A moça bonita diz que não. Que não houve nada. Só um engano. Ela simplesmente se assustou com o homem. E o homem feio, reanimado pela inocência generosamente reconhecida, ouve do policial a recomendação de que seria melhor esquecer o episódio. Afinal, tudo acabou bem. A moça não fez nada, e os que fizeram, inclusive o seu namorado, nem estão mais ali. 
O homem feio percebe o que ocorre. Por que seus agressores conseguiram não estar mais ali. Por que razão não daria em nada querer processar a moça, pois no fundo, ela não é mesmo culpada. Não sozinha. E além do mais, ele sabe o quanto seria difícil prender ou processar a sociedade.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

ACREDITAR NA EDUCAÇÃO


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Temos que acreditar na educação. Mesmo conscientes de que a burocracia da educação está inchada de política partidária. Gerida por pessoas ambiciosas; seja na coisa pública, onde o executivo e o legislativo, em nome de suas ambições se unem em prol do pior para os jovens que buscam um futuro digno, seja na iniciativa privada, onde os donos das instituições de ensino, em sua maioria não são educadores. São apenas ganhadores de muito; muito dinheiro.
Mas temos que acreditar. Acreditar na educação, mesmo sabedores de que no meio dos muitos professores comprometidos de fato, e dotados de profissionalismo, vocação e amor, existe o joio: aqueles professores que tentam deseducar; vingar suas frustrações e revoltas contra o sistema, especificamente nos alunos... e ainda emperrar a caminhada dos que não correspondem aos seus gostos, preconceitos e vaidades pessoais. 
Que os nossos filhos e gerações seguintes não caiam nas armadilhas do poder público e dos empresários ávidos por mão-de-obra barata, passiva e sem noção de cidadania, de não crer mais na educação. E os futuros profissionais de qualquer área e setor não creiam desde agora, que basta ganhar dinheiro para viver, e que o saber não conta para os que eventualmente já têm vida ganha.
O saber é o sucesso. A educação é a riqueza. Conhecer o mundo que nos cerca é o maior bem que podemos ter, e ninguém poderá roubar. E é justamente esse bem que nos fará buscar sempre de forma justa, honesta e consciente, os bens materiais de que precisamos; o poder de consumo sem vícios e protagonismos cruéis para o outro. É a educação, exatamente, que nos faz respeitar a todos como cidadãos. Aos que têm e não tem educação.
E que nós, os pais desta geração nascida em tempos de corrupção nunca vista no mundo moderno, não deixemos nossos filhos desistirem. Não permitamos que eles troquem a educação pelo comodismo nem por essa ambição distorcida que marca os fúteis bem sucedidos materialmente; os facínoras bem sucedidos; os criminosos e os de má fé bem sucedidos. Tenhamos a dignidade de lhes mostrar que estes não são, de fato, bem sucedidos.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

ALÉM DA LATA


PAZ PRA SEGUIR

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Já pequei minha cota e fui além;
foram muitos os passos desmedidos,
mas também não faltaram promissórias
regiamente cumpridas por meu tempo...
Sei que o tempo não pôde me conter
de voltar a ferir os estatutos,
cometer novos erros, repeti-los
quando a casca da idade me blindou...
Mesmo assim honrei todos os boletos,
hoje acerto resquícios de passados
que ressurgem dos guetos da memória...
Quando penso no quanto caminhei,
no que sei que não sei, pois aprendi,
quero paz pra seguir meus dias bônus...

domingo, 10 de setembro de 2017

PARTOS



FÉ NO MEDO


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Sou estampa fiel de quem não sou,
onde sei que preciso ter escudo;
vejo tudo ruir ao meu redor
ou alguma tocaia ser erguida...
Sigo pé ante pé, com fé no medo,
pois o medo prudente me preserva,
faz abrir o segredo e ver por dentro
minha chance de achar um horizonte...
Faço cara de mau pro mal que faz
uma cara de bem que não convence,
porque sinto que algo não é bom...
É um dom de conter a dor futura;
quando ponho dureza no que sou,
sou apenas legítima defesa...

RAZÃO


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Não tenho condições financeiras de ter razão... nem de ser declarado inocente.

HEIN?


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Já duvidei da certeza.
Hoje tenho certeza
do talvez.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

SEM ECO


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Nem saudade resiste ao menosprezo;
ela morre por falta de respostas;
quem a nutre sozinho sente o peso
do silêncio de cruz em suas costas...

As lembranças despencam das encostas,
quando escalam com sonhos indefesos,
onde havia esperanças restam crostas
de sentidos que agora estão obesos...

O que houve de bom fica sem chão,
feito bicho de brejo no sertão,
como rio que um dia ficou seco...

Foi assim que murchou meu sentimento;
minha massa incruou sem seu fermento,
pois a minha emoção ficou sem eco...

SOBRE SER LIVRE


Demétrio Sena, Magé - RJ.

Seguirei o meu rumo que não tem segredo,
afinal me livrei de ser livre de mim,
pra manter meus princípios do começo ao fim
e viver por amor, não por cabresto e medo...

Uma fé não me torne de neve ou marfim,
não me faça oprimir nem apontar o dedo,
quero eu mesmo compor e seguir meu enredo;
respeitar quem o faça, diga não ou sim...

Que ser livre já seja o maior patrimônio,
ter as minhas loucuras, ser alguém normal,
sem que nada me obrigue a virar samurai...

Não é minha essa rixa entre Deus e Demônio;
não serei um soldado do bem nem do mal,
pois deploro essa paz que só a guerra extrai...

AINDA QUERO VOTAR

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Muitas vezes concebo essa ideia de que o povo brasileiro deveria retaliar a classe política simplesmente não comparecendo às urnas, em todas as eleições. A punição exemplar pela corrupção política e a falta de políticas públicas em prol do povo, pelo povo, seria a negação do voto.
Logo retrocedo. Já houve um tempo em que não votamos, e isso não era nada bom, além de não ser nada que não se resolvesse, por exemplo, com o colégio eleitoral. Alguém ainda lembra? Pois é. Do jeito que as coisas vão, creio não ser ignorância temer que algo semelhante a um colégio eleitoral possa ser instituído pelo poder público, em forma de justificativa emergencial pela falta do voto popular. O não comparecimento em massa, do povo às urnas, pode ser tudo que o poder público destes tempos deseja.
Não tenho receita para este problema. Sou leigo em questões desta natureza. Tão leigo, que não descarto a hipótese de neste momento estar a dizer uma grande bobagem. O que posso afirmar com indícios de convicção, é que precisamos pensar um pouco mais, antes de levarmos a cabo certas questões que não dominamos.
Acho que, se com o nosso voto as coisas estão como estão, sem ele podem ser muito piores. Fatais, mesmo, para uma sociedade já enferma sociopoliticamente. Arrisco dizer que ao invés do não voto, é necessário que haja uma nova forma de votar, de conferir o voto, e que também haja leis que legitimem de fato o povo, mas o povo, mesmo, por meios jurídicos eficientes, a demitir políticos. Se o povo elege, ou seja: emprega, também deveria, de forma direta e não apenas pela pressão, ter o direito de "mandar embora", por "justa causa", qualquer político ladrão; fraudador; traidor da fé pública; mentiroso...
Se houve um tempo em que não tivemos direito de votar, e lutamos tanto por esse direito, abrirmos mão seria devolver aos políticos o que temos de mais precioso no campo da cidadania. Devolveríamos ao poder público a prerrogativa de criar seus engenhos escusos e misteriosos de se autoeleger, e perderíamos a chance de continuar, ainda que por longas décadas, a nossa procura das raríssimas, mas ainda possíveis agulhas no palheiro imenso da política brasileira.
Irei às urnas mais uma vez. Talvez para votar nulo, em branco, mas irei às urnas, com toda a revolta que me consome. O trabalho que me proponho é o de continuar minha busca por saber quem é quem; quem é primo, filho, sobrinho, pai, cunhado, cônjuge, amigo (...) de quem, para tentar, além de não reeleger, não eleger ninguém que reponha no poder público as mesmas caras-de-pau.
O que não farei de modo algum, é contribuir para que os políticos de sempre, que nunca deixamos de eleger, direta ou indiretamente, voltem a não precisar do meu voto.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

QUEM SABE O MUNDO...

Demétrio Sena, Magé - RJ.



Tem que haver um lugar onde o mal não não triunfe
nem os maus instituam a sua vontade;
a verdade não seja o que o poder decide;
não exista o poder pra decidir por nós...
Pode ser que um lugar, talvez o próprio mundo,
tenha como acolher as verdades opostas,
para dar igualdade às nossas diferenças,
as respostas felizes aos sonhos de paz...
Um lugar onde a morte homenageie a vida
sem a dor e os gemidos da perda cruel,
a ferida profunda e a falta de chão...
E não seja domínio de um senhor de tudo,
nada lembre reinados ou hierarquias,
os escudos e as armas não façam sentido...

domingo, 3 de setembro de 2017

TEIA


VIDA QUE SEGUE

Demétrio Sena, Magé - RJ.
Deixo a luz decidir quando se apaga,
levo a sorte que teço enquanto isso,
encho a vaga de passos decididos
sobre minha serena indecisão...
Pego tudo que o tempo tem pra mim,
mas o tempo é que sabe até que ponto;
meio pronto e talvez metade plena,
sei apenas que o fim decide a hora...
Levo a vida que aceita me levar,
faço a parte que o mundo me delega
e meu ar é minério que garimpo...
É preciso valer o que se tem,
jogar limpo com todas as verdades,
ter saudades do dia de amanhã...

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

CORAÇÃO MALASARTES


Demétrio Sena, Magé - RJ.


Tenho minhas raivas. Mas como tenho raiva de raiva, só de raiva me acalmo. E tenho medos. No entanto, é tão grande o medo que tenho do medo, que o próprio medo me dá coragem de não tê-lo. Coragem medrosa, pelo medo imenso de voltar a ter medo.
Cheguei ao ponto em que o que dói já não dói. Aprendi a ter coração contestador. Contesto dor. É bem certo que ainda choro, e choro rio de lágrimas... mas logo rio do rio, por ver que tudo passa... que também passo, e nesse passo a vida é curta. Muito curta para que a gente não curta, mesmo em conserva.
Ninguém dirá que não sofre neste mundo. Muito menos eu. Mas me tornei tão Malasartes, que dei um jeito nessa questão. Sei sofrer sem sofrimento. O sofrimento não mais consegue me fazer sofrer. Tornei-me à prova de provas e aprovo tudo que vem, como forma de subornar os sentidos.
Foi assim que alcancei a graça de ver graça em tudo. Brincar de leve com o tempo e fingir que a morte não existe... ou existe, até, mas é minha colega; minha camarada. Chegará sem drama e cara de morte... como quem não quer nada... sutilmente cheia de vida.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

O TREM DA IDADE

Demétrio Sena, Magé - RJ.


Certos dias nos cansam de todos os dias,
fazem dar uma pausa, projeto a projeto,
repensar esperanças, questionar certezas
que nos levam à força de nossa vontade...

Chega o tempo em que as horas parecem tardias
e batemos no fundo, quem sabe no teto,
no limite abusivo de nossas tristezas
quando só a mentira parece verdade...

Há momentos eternos na dor das lembranças,
nos vagões de saudades que o peito conduz
para quando e pra onde ninguém vai dizer...

A idade não segue sem suas cobranças
nem os ombros conseguem não sentir a cruz,
apesar do mistério que nos dá prazer...